domingo, 15 de maio de 2011

"Wonderland" encerra na Broadway.

"Wonderland" o mais recente musical de Frank Wildhorn, que estreou na Broadway a 17 de Abril, é também o seu mais recente flop e encerra hoje, 15 de Maio.
Para além das reviews devastadoras, Wonderland foi incapaz de gerar suficiente capital para sustentar um espectáculo que custou mais de 10 milhões de dólares só para montar. E como tal o dinheiro esgotou. E sem dinheiro não há musical.
A inconsistência do libreto foi considerada a principal causa do fiasco do Musical. Mas não foi a única. Wonderland estava em cena num dos maiores Teatros da Broadway, o Marquis Theater, com capacidade para 1611 espectadores. E como se o Teatro não fosse grande, e portanto difícil, o suficiente de encher, Wonderland teve o azar de estrear na mesma época que outros musicais que geram forte competição, nomeadamente Sister Act (Vagamente baseado no filme "Do Cabaret para o Convento"), The Book of Mormon, uma sátira esmagadora dos autores da série South Park e o revival de How to succeed in Business without really trying que conta com Daniel Radcliffe (o "Harry Potter") no papel principal.

Ao encerrar, Wonderland esteve em cena durante apenas 31 previews e 33 espectáculos regulares, passando à frente dos outros flops de Wildhorn na Broadway Dracula (22 previews e 157 performances) e The Civil War (35 previews e 61 performances).

No entanto nada está perdido. Os produtores estão a preparar uma Tournée pelos EUA onde se conta que sejam resolvidos os problemas com o guião. É bom recordar que os musicais de Frank Wildhorn são, regra geral, optimizados sempre que saem da Broadway. O que significa que a transferência de um Musical para a Broadway nem sempre significa melhoria no mesmo.

1 comentário:

Alexandre Shimizu disse...

Tive a oportunidade de assistir no começo do mês passado e gostei muito. Wonderland era bem melhor que o Spiderman (esse sim pode acabar que não vai deixar nenhuma saudade, muito ruim).
Achei a atriz que interpreta a Alice fantástica. E os personagens eram muito carismáticos. É um pena que tenha encerrado.